ASPECTOS JURÍDICOS DA VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA E RESPONSABILIDADES DA DOULA

Sou advogada desde 2007, portanto, ainda que tenha descoberto uma grande paixão – a de trabalhar com energia e resgate do sagrado feminino – não poderia deixar de seu o que sempre fui: advogada. Aliás, desde pequena minha mãe já dizia que eu advogava, que estava sempre em uma ‘causa’, nem que fosse em prol do ‘Danoninho antes do almoço’ ou do ‘brincar antes de fazer a lição de casa’ rs…

Então, foi aí que decidi mudar o rumo da minha especialidade, abrir o leque e me permitir defender outras causas, como a guarda ou alimentos em uma separação, auxiliar mulheres que estão em um relacionamento abusivo e até mesmo levantar a bandeira do parto humanizado contra as inúmeras violências obstétricas que ainda acontecem nesse brasilzão afora.

Toda mulher merece entender o que é uma violência obstétrica, assim como compreender o que faz parte do papel da doula e o que não faz. Por isso, entender os aspectos jurídicos desses dois assuntos é algo que considero muito importante e faz parte do meu trabalho como doula te explicar bem tudo isso.

Tô aqui pra te ouvir, te entender e me colocar no seu lugar, para juntas, encontrarmos um novo caminho para você.

Venha tomar um chá comigo!

violência obstétrica no brasil, violência obstétrica lei, violência obstétrica oms, violência obstétrica artigos, a violência obstétrica em debate no brasil, a violência obstétrica no brasi,l violência obstétrica brasil, violencia obstétrica blog, violência obstétrica como questão para a saúde pública no brasil, violência obstétrica e parto humanizado, parto humanizado e violência obstétrica, violencia obstetrica e serviço social, violencia obstetrica e parto humanizado, violencia obstetrica e prevencao quaternaria, violencia obstetrica e depressao, pos parto e violencia obstétrica, violencia obstetrica fisica, violencia obstetrica febrasgo, violencia obstetrica fiocruz, violencia obstetrica filosofia.